Assim como outras partes do corpo, o olho também envelhece e, com isso, sofre alterações. Tal situação demanda a realização de consultas e exames periódicos como forma de prevenção.

Pode ser o caso de haver algum problema ocular e não ser percebido por ausência de sintomas e nenhum sinal de alerta, principalmente após os 40 anos.

Existem doenças que, embora não apresentem causas conhecidas, podem vir associadas a alguns fenômenos, como o tabagismo, o diabetes, hipertensão arterial e exposição ao sol.

Essas condições podem tornar as doenças mais frequentes e cumulativas; com o passar dos anos, aumenta, para idosos, a prevalência de problemas oculares, como: catarata, glaucoma, doenças venosas oclusivas da retina e, principalmente, a degeneração macular relacionada à idade (DMRI); esta, considerada a principal causa de perda visual em pessoas acima de 60 anos.

Catarata Essa é a principal causa de cegueira reversível no mundo e ocorre principalmente após os 50 anos de idade, quando há perda progressiva da transparência do cristalino, causando visão embaçada. Geralmente, acontece de forma natural por causa do envelhecimento do organismo, podendo potencializar doen- ças sistêmicas, como o diabetes.

A catarata também pode ser induzida pelo uso crônico de drogas, como anti-inflamatórios hormonais (corticoides). SINTOMAS:

O principal sintoma da doença é o embaçamento visual, com evolução gradual até a completa perda da visão. CUIDADOS PREVENTIVOS: Não existe uma forma de evitar ou prevenir a doença. O diabetes e o fumo são causas secundárias da catarata, o controle desses fatores pode ser preventivo. Uma dieta rica em alimentos antioxidantes pode ser importante para adiar o surgimento da catarata. Também é importante proteger-se da radiação solar por meio de óculos escuros e proteção ultravioleta. Glaucoma

A doença provoca lesão no nervo ótico, é genética e se manifesta, principalmente, na terceira idade, podendo levar à cegueira irreversível, caso não seja diagnosticada a tempo.

Causada pelo aumento da pressão ocular, pode acometer um ou os dois olhos e levar à perda progressiva da visão periférica. Vários fatores podem estar relacionados ao glaucoma, que podem levar à perda da visão pela destruição do nervo óptico. SINTOMAS:

O glaucoma só apresenta sintomas nos casos agudos, como fortes dores de cabeça, fotofobia, enjoo e dor ocular intensa.

Um dos fatores de risco é a pressão intraocular. Embora algumas pessoas com pressão do olho alta nunca demonstrarão lesão por glaucoma.

É preciso acompanhamento e verificação de outros fatores como aparência do nervo óptico; o exame de campo de visão comparativo é um cuidado que produz melhores informações. CUIDADOS PREVENTIVOS:

A realização rotineira de consulta oftalmológica completa em pacientes acima dos 45 anos que tenham histórico familiar é indicada.

Todos os pacientes acima de 60 anos devem comparecer, ao menos uma vez por ano, em uma consulta com especialista. O uso de colírio indicado pode impedir a evolução da doença.

Retinopatias (diabética e hipertensiva)

Doença que altera os vasos sanguíneos, causando má circula- ção na retina, provocada por complicações do diabetes e da hipertensão arterial nos vasos da retina, gerando deformidades em seu percurso, extravasamento de líquido e até mesmo hemorragias. As alterações progressivas e tardias ocorridas na retina são características da doença.

SINTOMAS: As retinopatias se instalam devagar e por muitas vezes não há sintomas, no início. Posteriormente, podem ser frequentes o embaçamento e a diminuição da acuidade visual. Em casos de hemorragia, há queixa de perda da visão súbita no olho acometido. Os sintomas podem variar, os mais comuns são a visão borrada, a impressão de “moscas voando” ou flashes sendo disparados e até mesmo a perda repentina da visão.

CUIDADOS PREVENTIVOS: Por se tratar de uma doença progressiva e relacionada ao agravamento de outras duas enfermidades maiores, torna-se imprescindível o controle severo da glicemia e da pressão arterial

Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI)
Principal causadora de cegueira em idosos, em função do envelhecimento do organismo, a DMRI doença consiste na degeneração da estrutura da parte posterior do olho (mácula), responsável pela visão central. Também pode ocorrer por causa da evolução, e complicações, de doenças sistêmicas, além da exposição a medicamentos e raios solares

SINTOMAS: Dificuldade na leitura, visão com linhas onduladas, pontos escuros ou espaços em branco, embaçamento da vista e distorção das formas, evoluindo para a perda gradual e irreversível da visão, se detectada no início, pode ser controlada. É mais comum em obesos, fumantes e brancos

CUIDADOS PREVENTIVOS: Adotar uma dieta rica em alimentos com alto teor de ômega-3, além de vegetais de folhas verdes; não fumar ou parar de fumar; praticar exercícios físicos com frequência; controlar o peso e a pressão arterial; proteger-se da radiação solar por meio de óculos escuros com proteção ultravioleta.

Olho seco
Doença crônica mais frequente em após o período da menopausa, por causa das mudanças hormonais características do período, o olho seco é causado pela diminuição da produção da lágrima ou deficiência em alguns de seus componentes, ou seja, pouca quantidade e/ou má qualidade da lágrima.

Alterações senis nas pálpebras (entrópio, ectrópio) e distúrbios do sistema lacrimal (obstrução) são alguns fatores que podem desestabilizar a superfície ocular do paciente, causando os sintomas do olho seco. Também sofrem com o problema pacientes em uso crô- nico de alguns medicamentos e/ou que fazem tratamentos de quimioterapia ou radioterapia também podem relatar sintomas por causa de alterações desencadeadas nas glândulas lacrimais, no que diz respeito à produção da lágrima.

O distúrbio no filme lacrimal e na superfície ocular pode produzir áreas secas sobre a conjuntiva e a córnea, o que facilita o aparecimento de lesões.

Outras causas do olho seco: a exposição a determinadas condições do meio ambiente (poluição, clima seco etc.), trauma (queimaduras químicas), alguns medicamentos, idade avançada, uso de lentes de contato, conjuntivite, pós- -cirurgia refrativa, diabetes, doenças que causem infiltração ou inflamação da glândula lacrimal (como síndrome de Sjoegren), tuberculose, leucemia e Aids.

SINTOMAS: Ardor, queimação, irritação, sensação de areia e corpo estranho nos olhos, fotofobia, dificuldade para ficar em lugares com ar condicionado ou em frente do computador e olhos embaçados ao final do dia, principalmente após muita leitura, sãos os sintomas do distúrbio. Casos graves podem evoluir para úlcera e perfuração de córnea.

CUIDADOS PREVENTIVOS: Se as causas do olho seco forem por privação de lágrima, pode ser empregado o uso de lubrificantes em gotas, pomadas ou gel. Nos casos em que alterações nos olhos comprometem a lubrificação, além dos métodos já citados, os procedimentos podem ser cirurgias corretivas, enxertos, suturas provisórias ou definitivas entre outras. A mudança constante da prescrição dos óculos também pode indicar problemas com a visão em pessoas com idade entre 50 e 60 anos. É muito importante que pessoas com idade avançada visitem um oftalmologista periodicamente para identificação de fatores de risco. A ideia é monitorar e aplicar o tratamento adequado precocemente para diminuir as chances de danos visuais.

fonte: http://www.cbo.net.br/novo/publicacoes/revista_vejabem_11.pdf

Open chat
1
Olá, como podemos lhe ajudar?